05/06/2014
ANFAVEA: AUMENTO DA MISTURA DE ETANOL AFETARIA CARROS À GASOLINA


ANFAVEA: AUMENTO DA MISTURA DE ETANOL AFETARIA CARROS À GASOLINA - IMAGEM 1


Indústria automobilística desaprova um eventual aumento do limite da mistura obrigatória do etanol anidro à gasolina para 27,5%, ante os atuais 25%, conforme vem sendo avaliado pelo governo; segundo o presidente da associação das montadoras (Anfavea), Luiz Moan, a indústria não apoia um aumento da mistura porque 42% da frota brasileira de automóveis ainda usa apenas gasolina
5 DE JUNHO DE 2014 ÀS 14:19

SÃO PAULO (Reuters) - A indústria automobilística desaprova um eventual aumento do limite da mistura obrigatória do etanol anidro à gasolina para 27,5 por cento, ante os atuais 25 por cento, conforme vem sendo discutido por representantes do setor sucroalcooleiro e avaliado pelo governo.

Isso porque a mudança afetaria os carros à gasolina, disse nesta quinta-feira o presidente da associação das montadoras (Anfavea), Luiz Moan, durante uma conferência de imprensa.

Segundo ele, embora a maioria das vendas de carros novos no Brasil seja de carros flex, que usam etanol e/ou gasolina, a indústria não apoia um aumento da mistura porque 42 por cento da frota brasileira de automóveis ainda usa apenas gasolina.

Esses veículos à gasolina, portanto, não estariam tecnicamente preparados para rodar com uma mistura maior de etanol, segundo a Anfavea. A implantação de um limite maior do teor do biocombustível contribuiria para um desgaste maior do motor daqueles carros, disse a associação.

"Não achamos conveniente e não apoiamos o aumento do etanol na gasolina para 27,5 por cento", disse Moan, presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea).

O governo encomendou recentemente um estudo sobre a possível mudança para balizar as discussões, disse à Reuters André Rocha, presidente do Fórum Nacional Sucroalcooleiro, que participou de encontro com a presidente Dilma Rousseff e outros representantes do setor agrícola.

A eventual mudança é vista pela indústria sucroalcooleira como forma de aliviar a crise vivida pelo setor. Ao governo também interessa a nova mistura pelo potencial de reduzir as importações de combustíveis fósseis pela Petrobras.

Uma emenda elevando o limite máximo de etanol anidro de 25 para 27,5 por cento chegou a tramitar em uma Medida Provisória no Congresso neste mês, mas foi excluída do texto durante votação na Câmara dos Deputados.

(Reportagem Alberto Alerigi Jr.)

Compartilhar Facebook Compartilhar Twitter



Sindicato dos Trabalhadores em Hotéis,
Bares e Restaurantes de Serra Negra

Rua Duque de Caxias 135
Sala 01 - CEP: 13930-000
Tel: 19 3892-6039
Email: contato@sechssn.com.br